• Carolina Abreu

    Carolina Abreu

  • Carolina Abreu

    Carolina Abreu

  • Carolina Abreu

    Carolina Abreu

  • Carolina Abreu

    Carolina Abreu

  • Carolina Abreu

    Carolina Abreu

  • Carolina Abreu

    Carolina Abreu

  • Carolina Abreu

    Carolina Abreu

  • Carolina Abreu

    Carolina Abreu

Sistemas Familiares Internos

Sistemas Familiares Internos - IFS


A IFS é uma abordagem psicoterapêutica integrativa baseada na evidência. Combina elementos de diferentes escolas de Psicologia, como a multiplicidade da mente, o pensamento sistémico e outros. Oferece um modelo de exploração e compreensão não patologizante do nosso mundo interno, dos nossos gatilhos e das situações de vida problemáticas.

O modelo postula que a nossa personalidade é composta por diferentes aspectos ou partes (multiplicidade da mente). Cada parte possui a sua própria perspectiva, sentimentos, memórias, metas e motivações. Todos temos partes, como por exemplo, críticos internos, partes cuidadoras, partes zangadas, partes que querem agradar, partes ansiosas, partes que carregam tristeza, partes introvertidas, partes sociáveis, etc.

Neste modelo IFS todas as partes são bem-vindas. Procuramos acolhê-las e relacionarmo-nos com elas com curiosidade, compaixão, compreensão e apreciação.

A IFS assenta na ideia de que todos temos um Self, que constitui a nossa essência e que não é danificado pelas experiências (mesmo as mais extremas). O Self tem a capacidade para agir não apenas como um observador consciente do nosso mundo interno, mas tem também a capacidade para atuar como um líder eficaz e compassivo, capaz de harmonizar o nosso sistema interno.

O Self apresenta algumas das nossas mais preciosas qualidades e recursos – compaixão, curiosidade, amor, criatividade, calma, coragem, sabedoria, confiança, conexão, clareza, paciência, perspectiva, entre outras, e tem a capacidade para curar partes extremas ou vulneráveis.

Na IFS somos convidados a entrar em contacto com o nosso Self (papel curativo fundamental no sistema) e encorajados a conhecer as nossas diferentes partes.

A IFS identifica três tipos de partes: partes feridas e suprimidas, designadas de Exilados, resultantes, muitas vezes, de experiências traumáticas na infância; os protectores, que tentam proteger-nos da dor e sofrimento dos exilados, impedindo que se tornem conscientes ou demasiado intensos para que possa ser mantido um funcionamento adequado e preservado o equilíbrio e harmonia do sistema. Entre as partes protectoras temos: os Gestores, que mantêm os exilados suprimidos - são protectores responsáveis por manter um nível de funcionamento na vida quotidiana afastando interações indesejadas, emoções ou experiências capazes de activar os exilados; os Distractores são partes protectoras que nos distraem da dor das partes exiladas, quando estas são ativadas, envolvendo-nos em comportamentos indulgentes, aditivos e muitas vezes abusivos e impulsivos. 

A IFS foca-se em restaurar o equilíbrio e harmonia interna produzindo mudanças nas dinâmicas causadoras de conflitos. Para isto foca-se na reparação das partes vulneráveis, ajudando as partes protectoras a se tornarem menos extremas, não as afastando, mas sim tentando conhecê-las melhor e compreender as histórias, motivações, vulnerabilidades e dor subjacente.

Quando curamos os fardos e danos carregados pelas partes vulneráveis, as partes protectoras já não necessitam ser tão extremas o que resulta na atenuação dos sintomas, e acima de tudo numa maior harmonia interna.

Voltar ao topo

 

“Contradigo-me? Pois bem, então contradigo-me. Sou extenso, contenho multiplicidades."

WALT WHITMAN

A IFS

Marcações e Disponibilidade

©2021 Carolina Abreu - Psicologia e Psicoterapia